Arquivo

Arquivo de julho, 2010

É hora de repensar a estratégia de portfólio de aplicativos em grandes empresas?

21, julho, 2010 admin 1 comentário

Amigos,

Acabamos de ler um artigo muito interessante do Dennis Gaughan, VP Do Gartner, e decidimos compartilhar com todos…RECOMENDO A LEITURA

Abaixo vcs tem a livre tradução nossa , aliás com grande colaboração da Luciana Paiva… mas se vc preferir em Inglês , o endereço é http://blogs.gartner.com/dennis-gaughan/2010/06/29/is-it-time-to-rethink-your-enterprise-application-portfolio-strategy

BOA LEITURA

É hora de repensar a estratégia de portfólio de aplicativos em grandes empresas?
Recentemente passei alguns dias em Chicago (em Rosemont, para ser preciso) no Gartner/AMR Research SAP e Oracle Peer Forums no encontro semi-anual deles. É sempre incrível participar nestes eventos e fazer network com os clientes principais da Oracle e da SAP. Usamos a oportunidade para discutir iniciativas chave e identificar as melhores práticas de como extrair o maior valor dos portfólios de seus aplicativos.

Durante as sessões, falamos sobre melhorar o custo total de propriedade e como elevar o papel da TI nos negócios. Muita conversação informal esteve centrada nas melhores maneiras de expandir e envolver portfólios de aplicativos para satisfazer os requisitos de mudança dos negócios. Muitos dos membros do fórum lutam continuamente para manterem-se atualizados com estas demandas por conta da inflexibilidade da arquitetura das aplicações e os desafios de manter um complexo portfólio de aplicativos.

Uma grande parte do problema é que muitos sistemas foram arquitetados focando na melhoria de processos internos e operações, enquanto muito da estratégia de negócios foi alterada para orientação baseada em rede.

Na última semana eu passei dois dias inteiros com os colegas do Gartner Yvonne Genovese, Jim Shepherd e Val Sribar para falar sobre pesquisa de aplicativos e nós sempre voltamos a mesma questão: As empresas precisam repensar suas estratégias de aplicativos para refletir melhor os modelos de negócio colaborativo de hoje? A resposta com certeza parecia ser sim, mas nós pensamos então na melhor maneira de conseguir isto.

Todos aplicativos não deveriam ser criados da mesma maneira

A idéia fundamental da nossa discussão é que organizações demais construíram suas estratégias de aplicativos em uma premissa defeituosa: tendo uma estratégia única de portfólio de aplicativo que é gerenciado por uma série de critérios e envolve um cronograma comum. Mas isto levou a uma bagunça em que muitas empresas estão. Qualquer mudança nos sistemas requer um esforço tremendo porque até mesmo as modificações mais simples tem implicações de longo alcance para sistemas base.

Nós identificamos uma abordagem para re-classificar os aplicativos baseados no papel que eles tem na organização para ajudar a desenvolver um nível de abstração que possa acelerar o passo da mudança para TI.

• Sistemas de registro – Estes são os sistemas que formam a fundação ( base ) para sua empresa e gerenciam as informações necessárias para operar seu negócio. Estes são orientados a transação e o formam o núcleo para reportes financeiros e observância regulatória. O passo de mudança é lento, com sua vida útil medida em décadas. É muito provável que sejam implantados no próprio local.

• Sistemas de diferenciação – Estes são os sistemas que ajudam na diferenciação da sua empresa. Eles conectam aos clientes e parceiros de negócios, assim como ajudam a acelerar o “time to market” e agilidade em geral. Eles são mais colaborativos por natureza, e enquanto eles utilizam os dados vindos dos sistemas de registro, eles capturam e mantém informações adicionais. São relativamente estáveis e tem uma vida útil entre 3 e 10 anos. Muitos destes sistemas são implantados no local, mas muitos podem ser entregues no modelo de aplicativo em nuvem.

• Sistemas de transformação – Estes sistemas criam inovação para sua organização. Eles são freqüentemente desenvolvidos fora dos processos ad hoc e são ligados a iniciativas específicas, portanto podem ter um ciclo de vida muito curto. Eles são dirigidos, desenvolvidos e financiados fora do orçamento de negócios. São também altamente colaborativos e envolvem datas estruturados e não estruturados. A natureza dinâmica destes aplicativos fica bem ajustada a aplicações baseadas em nuvem.

Aplicações consideradas de diferenciação ou transformação serão freqüentemente financiadas, implantadas e gerenciadas fora de organização de TI (a qual o papel pode ser o de criar a plataforma para estas classes de aplicação). Estas categorias de aplicativos deveriam ser tratadas de maneira diferenciada, pois tem diferentes vidas úteis, implicações regulatórias e requisitos de mudança. Infelizmente, muitas empresas agruparam todas juntas em arquitetura monolítica, que é custosa para manter e difícil de mudar.

As sementes foram plantadas

Quando empresas apresentam um portfolio da disciplina de gerenciamento, freqüentemente categorizam os gastos com TI em 3 dimensões similares: executam o negócio, crescem o negócio e transformam o negócio. Esta categorização proporciona as empresas a habilidade de medir e ajustar seus gastos de TI para reflletir as prioridades de negócio. Também usam estas métricas como um nível para reduzir os gastos com TI em “manter as luzes acesas” e aumentar os gastos com as iniciativas que irão conduzir a um aumento de receita ou melhoria de margem.

Entretanto, não é o suficiente simplesmente manter o controle dos gastos após o fato. Re-orientar seu portfólio de aplicativos a estas 3 categorias forçará um número de mudanças:

• Casos de negócio são diferentes porque os objetivos e critérios são diferentes.
• Modelos de propriedade e financiamento são diferentes em cada nível.
• Critérios de seleção de fornecedores variam significantemente
• Integração, dados e estratégias de segurança devem refletir objetivos diferentes
• Estratégia de governança global muda para dar suporte a um modelo mais distribuído
• Gerenciamento do ciclo de vida das aplicações são diferentes por categoria
Mais pela Frente

Eu acredito que alcançamos uma nova e excitante discussão de pesquisa que ajudará os clientes a ajustar o portfólio de seus aplicativos para refletir melhor como os negócios operam e dar as organizações o poder de fazer da TI uma capacidade verdadeiramente integrada e diferenciada.Estamos planejando uma série de estudos que vão ajudar nossos clientes não apenas a entender o que estas mudanças significam, mas como fazer as mudanças necessárias.

Sua organização já fez esta transformação, ou você está no meio do processo de ajustar seu portfólio de aplicativos?